46. Vendedor insistente

Enquanto alguns vendedores se perdem no "triângulo das bermudas" (em São Paulo isso se falava do o vendedor que programava visitas na Penha, na Lapa e em Santo Amaro, o que, naturalmente, não conseguia realizar), por não planejarem bem suas visitas, outros conseguem resultados na base do "pé duro" ou "arrastão", fazendo muitas visitas no dia.

Alguns vendedores são verdadeiros atores, interpretam um papel na frente de cada cliente. Enquanto os atores profissionais de teatro representam uma vez por dia, alguns vendedores repetem suas apresenta ões 5, 10 e até 20 vezes por dia. Acabam por ficarem bons no que fazem.

Armando não era um vendedor de muitos predicados; era tímido e sem muita habilidades requeridas para um vendedor de livro. No entanto, todos os meses, estava entre os primeiros na classificação de vendas. Seu método era simples; não tinha carro e só trabalhava no centro da cidade. Entrava num prédio, subia até o último andar e começava entrar em cada porta. O primeiro que encontrava pela frente, iniciava a sua demonstração:

- Vim aqui para lhe vender essa coleção; ela funciona assim, assim, assim; tem isso, aquilo e aquilo. Entendeu?

- Sim

- Então assina aqui.

- Mas eu não quero.

- Ent ão você não entendeu. Olha: ela funciona assim, assim, assim; tem isso, aquilo e aquilo. Entendeu?

- Entendi, mas não quero.

- Então você não entendeu. Olha: ela funciona assim, assim, assim; tem isso, aquilo e aquilo. Entendeu?

Assim fazia com todos que encontrava pela frente. Não vendesse na primeira demonstraão, tentava a segunda, ou ainda, a terceira vez. Havia quem comprasse na primeira, outros na segunda, alguns na terceira e muitos que não compravam.

Ele não se alterava, procurava o próximo e começava tudo de novo.