27. O churrasqueiro

Criatividade e investimentos na abertura de novos mercados são necessidades de qualquer vendedor. O mercado conhecido é um recurso que escasseia e tem que ser renovado. Quanto menor a criatividade maior será o custo do investimento. Muitas vezes todo investimento é perdido por não atingir os resultados objetivados. Alguns investimentos, por melhores que sejam suas doses de criatividade, são abandonados no meio do caminho antes de atingirem o limiar necessário para a apresentação de resultados. Alguns projetos quando acertam o alvo tornam realidade por muito tempo.

O Armando viera do Piauí com uma mão na frente outra atrás.

Como a maioria daqueles que não sabem o que fazer, ou que não conseguem outra coisa, foi tentar ser vendedor. Tentou e deu certo. 

A uma certa altura, já com uma bela casa com piscina e churrasqueira, mudou o processo de venda. Durante a semana, ao encontrar algum conhecido, fazia um convite para um churrasco que iria fazer no sábado em sua casa:

- Sábado, vou fazer um churrasquinho lá em casa. Vá e leve alguns amigos seus.

Assim fazia com cerca de 10 pessoas por semana. No sábado, lá se encontravam, em média, 30 pessoas.

Ele mesmo era o churrasqueiro, e fazia questão de servir pessoalmente todos os convidados, e principalmente os convidados dos convidados. Além de carne braseada, havia a vontade, uísque e cerveja. Em dias de calor, estava a disposição dos convidados um armário repleto de roupa de banho e toalhas, para quem quisesse aproveitar a piscina e a ducha.

Enquanto isso, o Armando, todo atencioso, procurava conversar com todos os convidados dos convidados, para saber quem eram, o que faziam e o que pensavam disso ou daquilo.

Geralmente, as pessoas começavam a chegar as 9 horas e até às 15 horas ainda tinha gente por ali.

Conversa vai, conversa vem, o Armando achava um jeito de conseguir o cartão da pessoa, ou anotar o endereço. Na semana seguinte o processo se repetia. E dai, todos aqueles nomes e demais informações daquelas pessoas, chegava a vez do vendedor. Armando passava a mão no telefone:

- Fulano, como é que vai você? Aqui é o Armando, tudo bem? Estou fechando um grupo de consórcio e só tenho disponíveis mais duas cotas. Lembrei de você e mandei meu filho, aí, para pegar a sua assinatura. Olha, sábado tem outro churrasco, leve outros amigos seus.

Naquela época o Armando gastava cerca de 15 SM (salário mínimo) por mês em despesa com o churrasco. Com isso, ganhava cerca de 80 SM por mês em comissões de vendas.