15. Desconto no preço

Em época de inflação, os consumidores não têm condições de saber o valor exato de qualquer produto. Como a inflação geralmente psicológica, pela expectativa de aumento constante, se aumenta o preço por antecipação. Da parte dos consumidores resta a pechincha como meio de defesa. Muitas das vezes o vendedor se retrai e acaba perdendo a venda por medo de não conseguir justificar o seu preço.

Armando estava gerenciando um departamento de peças numa revenda de implementos agrícolas na Paraíba. Havia um cliente que toda vez que passava por ali para comprar alguma peça, sempre reclamava dos preços e exigia um desconto. Fosse o que fosse.

Armando já andava irritado com aquele fazendeiro que reclamava de tudo, por mais justos que fossem seus preços.

Num dia quando viu o cliente entrando, chamou rápido o balconista e instruiu para que multiplicasse por quatro, todos os preços dos produtos que fossem consultados por aquele cliente e ficou por perto para observar.

O fazendeiro trazia na mão um parafuso quebrado, de amostra para um novo de reposição.

- Veja ai o preço de uma geringonça dessa.

O balconista percorre a lista de preço e atende:

- Custa 40 cruzeiros, cada um.

- Olha ai, seu Armando, assim não dá mais pra viver de agricultura, os preços de peças estão pela hora da morte. Tem pena de um pobre lavrador e, faz um descontinho. O senhor tão ruim de negócio, nunca dá desconto.

Chamado, o Armando atendeu:

- Que isso! O senhor merece toda nossa consideração, vou lhe fazer um desconto de vinte por cento. Dá 32. Melhor ainda leva por 30. Tá bom?

- Ah, assim tá melhor. O senhor tá aprendendo a negociar, até vou levar três de uma vez. Sabe, nunca se sabe quando vai quebrar.

Aí o Armando perdeu as estribeiras:

- Vai nada, o senhor não sabe nunca o preço das coisas e fica todas as vezes reclamando como se agente estivesse roubando os clientes. Leve os 3 por 30. O preço real de 10 cruzeiros cada um. Tá vendo como o senhor não entende de preço.

Não sei dizer se foi boa ou ruim a atitude do Armando, mas a partir daquela data, nunca mais o cliente reclamou do preço nem pediu desconto.