1. Quem é o Armando?

Tudo que se produz é para ser vendido, e tudo que se consome tem que ser comprado. No meio disso tudo, existe o vendedor. Um elo muito importante na cadeia de marketing, mas poucos reconhecem isso. " Nenhuma corrente é mais forte que o seu elo mais fraco ". Para quase todas as profissões e ocupações existem longos e elaborados trabalhos de formação técnica, enquanto para ocupação dos espaços destinados a vendas, São recrutados os mais diversos tipos de pessoas com praticamente nenhuma formação técnica anterior. Os vendedores São feitos nas empresas, quando muito com um cursinho de uma semana. E olhe lá.

Iniciado, dessa mesma forma, depois de um cursinho de quatro dias fui jogado no campo para "buscar vendas". Devido aos conceitos anteriores, adquiridos na formação acadêmica de Pedagogia, comecei a pesquisar e ler tudo que aparecia sobre vendas. Por melhores que fossem meus resultados sempre aparecia alguém que, sem nenhuma preparação, vendia mais do que eu. Isso me intrigava. Onde estaria a razão do sucesso do vendedor que não tem nenhuma formação acadêmica e consegue vender tanto.

Comecei a colecionar história de vendas e de vendedores, que fogem de qualquer esquema normal de um manual de vendas. Essas histórias não devem se tomadas como exemplo a serem seguidos ao pé da letra, este não é um manual de vendas, mas servem de referências tanto boas quanto más, algumas são instrutivas, outras apenas jocosas.

Essas histórias foram recolhidas, ao longo de vinte anos de atividade em vendas por todo Brasil. Algumas são situações que eu mesmo vivi profissionalmente, outras que contaram e me chamaram a atenção quanto ao seu aspecto fantástico, ou cômico.

Durante muito tempo relutei em publicar estas histórias; costumava contá-las somente em ambientes fechados tais como cursos e treinamentos de vendas. Temia que a divulgação maior pudesse prejudicar ou mesmo desgostar os personagens envolvidos. Muitos desses personagens continuam em atividade, alguns ainda vendedores, outros gerentes, diretores e empresários.

Agora encontrei esta forma: o ARMANDO.

Este personagem - o Armando - vai assumir todas as histórias como se fosse o protagonista original.

Acredito que a história seja um dos melhores instrumentos didáticos, pois nelas cada um encontra o que é capaz de reconhecer como virtudes ou defeitos. A imitação ou condenação de qualquer procedimento depende da formação de cada um. Em cada história o leitor poderá identificar métodos a serem adotados ou evitados. O julgamento é seu.

Quanto exatidão dos fatos, posso garantir que estão tão féis quanto permite minha capacidade de assimilação e transmissão. Ando repetindo essas histórias como as percebi, ou ouvi; qualquer distanciamento do fato real deve ser atribuído muito mais a minha dificuldade de transcrição do que ao desejo de fantasiar. Numa apresentação anterior deste projeto a uma editora, foi solicitado que se acrescentassem discussões teóricas. Não concordei, pois estaria desfigurando o ensejo inicial de só contar histórias, sem ser um manual ou livro texto. Acabei sendo convencido em apresentar alguns tópicos bem resumidos, ora como introdução ao texto, ora como dicas do Armando.